Pincelada – parte 2

E aí, môzamô? Tudo bem?

Tão calmas? Hoje, continua a saga dos pincéis! E o assunto hoje é comprido: olhos!

Pensando aqui, ao lado dos meus pincéis enfileirados, acabei de perceber como a maquiagem dos olhos é importante e vai definir todo o resto. Claro que cada parte tem a sua importância, mas sabe como é… Uma pele bem feita “desaparece”. Olhos bem maquiados hipnotizam e a gente diz: “Quero essa sombra!”. E o pincel, hein gata? Dependendo do pincel, uma mesma sombra pode ter vários efeitos diferentes. Então vamos deixar de “mimimi” e borá falar deles: a parte 2 do babado!

Para lembrar a diferença entre cerdas naturais e sintéticas, vejam a parte 1, ok? Vale igual!

2.1 – Por que tantos formatos?

Seguinte… Basta lembrar quantos tipos de sombras existem: compactas, pigmentos soltos, minerais, cremosas, em mousse, em gel… Cansei! E a gente ainda tem os tipos de aplicações e efeitos: marcadas, esfumadas, delineadas… Sem falar que o olho, tão pequenito, é dividido em várias partes: canto interno, canto externo, pálpebra superior, pálpebra inferior, côncavo! E agora, eu cheguei onde queria! Rá!

Pra ninguém voar na minha “falação”, lá vai um esquema do olho:

Pra aprender direitinho!
Imagem: sabrinainhouse.blogspot.com.br

2.2 – Aplicar! Já!

Para ‘colocar’ a sombra na pálpebra, primeiro temos de pensar na textura da sombra: as cremosas vão muito bem com os dedos! Eles ajudam a fixar e espalham melhor, o calor do dedo ajuda a sombra cremosa a ‘assentar’ bem. Já os pós (compactos ou soltos) são bem mais fáceis de aplicar com pincel, o que não impede de usar os dedinhos, que trabalham super bem com as sombras (pigmentos) soltas. Os pincéis ideais para a aplicação são os de base chata e mais larguinhos. Quanto maior o pincel, mais suave será o efeito da sombra. Cerdas naturais para uma aplicação mais esfumada e sintéticas para mais fortes. O formato do corte das cerdas é ligeiramente arredondado, que colabora com a maciez necessária.  Casso o corte seja chanfrado, o pincel é ideal para aplicar a sombra no côncavo sem marcar, dando um efeito esfumado.

De baixo para cima: Elf (chanfradinho), M.A.C, Sephora, NYX, Marco Boni, ProArt e Marco Boni.
Foto: Amélia Moura

2.3 – Falando em côncavo…

Tudo é “côncavo pra lá, côncavo pra cá!”, mas pouca gente que eu conheço, acerta o tal lugar. O truque é: coloque o dedo levemente sobre a sua pálpebra superior e você vai achar uma depressão, um local fundo entre o osso que fica abaixo da sobrancelha e a bolotinha do olho, esse “vale” é o côncavo. Um bom jeito de vê-lo é ficar de frente ao espelho e franzir a testa, levantando as sobrancelhas. Tá lá! Você vê bem o ‘danado’! E por que marcar? O côncavo dá profundidade ao olhar. A beleza do rosto se revela nas saliências e reentrâncias. Um rosto chapado deixa uma aparência sem graça!

Acho que esses pincéis ‘lápis’ foram as minhas melhores descobertas para um olho bem maquiado. Eles tem esse formato com a base redonda e a ponta bicuda, que “entra” e percorre o côncavo de maneira perfeita, e ainda ajudam a fazer o “C” do côncavo com a linha dos cílios superiores para uma sombra estilo gatinho, puxadinha. Basta um pouco de treino. Os pincéis mais finos vão fazer traços mais marcados, linhas mais certas; enquanto os mais gordinhos fazem linhas mais suaves e ajudam a esfumá-las.

De baixo para cima: O Boticário, Klass Vough e Coastal Scents (mais finos e precisos para linhas de cõncavo mais marcadas), e M.A.C, Klass Vough e Coastal Scents (mais gordinhos para côncavos mais esfumadinhos).
Foto: Amélia Moura

2.4 – Esfumar, esfumar, esfumar… Que repetitivo!

Sabem o que deixa uma sombra cafona? A cor? Claro que não, gata!!! Pode se jogar na sombra azul (eu adoro!). A bronca é quando ficam linhas marcadas entre as cores. Nossa… É muito ruim! E sabe o que faltou? Rá! ES-FU-MAR! (Esfumaçar não existe, viu? Nem para quem fuma! Larga isso, hein?) Para esfumar bem, o pincel precisa ser macio (cerdas naturais de preferência e mais longas) e ser todo redondinho (base e corte). A maneira mais eficiente de esfumar com esses pincéis é com movimentos circulares ou acompanhando a linha da sombra de maneira bem suave.

De baixo para cima: Elf, Klass Vough e Klass Vough. Macios e redondos! Meus amores! ❤
Foto: Amélia Moura

2.5 – Piscadinha sensual e discreta!

Para uma maquiagem rápida e bem linda, uma solução é passar a sombra rente aos cílios, como um delineador, só que bem mais simples e fácil! Qual a solução? Pincel larguinho, curto e durinho! Pá! Linha precisa e não tão marcada quanto o delineador.

De baixo para cima: Elf (cerdas naaturais) e UBU (cerdas sintéticas). Achatados, largos e durinhos!
Foto: Amélia Moura

2.6 – Alguém falou em delineador?

Antes de comprar pincel, arrume paciência! Putz! Delineador é trabalho de artesão! São três tipos bem bons de pincéis para tal fim: de pelinhos longos e fininho (ideal para um tracinho fino rente aos cílios, mas fica difícil de fazer a pontinha por ser mole), chanfrado (normalmente de cerdas sintéticas pois são mais firmes e dão a precisão necessária. O chanfro é ótimo pra definir o ângulo da pontinha porque basta você encostá-lo na angulação que quiser), e por fim, o meu preferido, o micro de cerdas bem durinhas (dá uma precisão incrível e por ser pequenininho, você pode ir aumentando o traço aos pouquinhos!).

De baixo para cima: Coastal Scents, O Boticário e M.A.C.
Foto: Amélia Moura

2.7 – Luz dos olhos meus

Iluminar o canto interno! Fica gata demais e as pessoas vão ver a luz, a beleza e não vão saber de onde vem aquilo! É magya! Pois… Para tanto encantamento, um pincel pequenininho e macio vai colocar a sombra iluminadora no lugar, sem sujar tudo, sem bagunçar! Mas pode usar o mindinho também, viu? Com cuidado!

De baixo para cima: Sephora, NYX e Sephora. Pequenos para não borrar tudo!
Foto: Amélia Moura

2.8 – Pálpebra inferior ninguém lembra, né?

Gente, só lápis? Sério? Que antigo… Uma sombra bem aplicada rente aos cílios inferiores na pálpebra inferior (pra quem não tem o olhinho caído, viu?) dá um charme de lascar! Principalmente com as sombras metálicas que estão suuuuuper na moda para a próxima estação (que por sinal, chega hoje! É primaveeeeraaaaa… Te amoooooooo!!!). Ninguém quer ficar com o olho borrado, fundo, sujo, com aparência de cansaço, então borá usar pincéis de base achatada, pequenos e de cerdas curtas e durinhas, ok? Quase de precisão!

De baixo para cima: ProArt, Elf e ProArt. Fininhos e durinhos!
Foto: Amélia Moura

2.9 – Bônus!

Pincel para pentear e escovar a sobrancelha é ótimo pra carregar na bolsa e dar uma “geral” na cara antes do happy hour, ok?
“E esse “pincel” de ponta de borracha, mulher???” Menina… É pra glitter, “tu crê”? O glitter gruda nessa pontinha lindamente e você vai e transfere pro olho! Pá! Tá linda!

De baixo para cima: pincel descartável para pentear e escovar sobrancelha (Klass Vough) e “pá” de silicone para glitter (Sephora).
Foto: Amélia Moura

E aí? Será que sobrou alguma coisa? Os links para compras e locais são os mesmos da parte 1! Se alguém discorda e quer brigar falar, mete a boca no trombone! Eu quero saber se vocês tão curtindo os posts didáticos, se tá servindo pra alguma coisa! Cadê o feedback, amadas? 😉

Beijos e logo, logo tem a parte 3! :*

Pincelada – parte 1

Esse negócio de maquiagem é complicado…
Antes, as pessoas que não eram profissionais não tinham acesso a pincéis. Eles só eram vendidos em locais especializados, não tinha em toda cidade, e a gente sempre via maquiadores falando em entrevistas que “não é possível fazer uma maquiagem bem feita e durável sem o instrumento correto, sem bons pincéis”!

Putz… Lá ia a gente atrás de pincéis e como era difícil! Aí, as empresas começam a fabricar e vender, as farmácias aparecem com num-sei-quantas marcas, lojas internacionais abrem no Brasil, só que… Os maquiadores passam a dizer que instrumento bom mesmo são esponjas (umas de formatos esquisitos) e os dedos!

Ah, váááá… Parece implicância de criança, viu?

Querem saber uma opinião bem sincera? Aguentaí porque lá vai:

É importante ter pincéis, esponjas e dedos. Mas se algum deles faltar, não tem problema! 😉 Pode-se dar um jeito. Para tudo ficar mais fácil, vou explicar aqui o que eu uso, para que serve e as maluquices que eu penso, ok? Espero também que vocês me digam o que usam e fazem porque eu também quero aprender! Vou dividir o assunto em partes e vou soltar uma parte por semana porque o assunto é longo. Depois da lenga-lenga, vamos ao que interessa: a parte 1.

1.1 – Os pelinhos

Podem ser sintéticos ou naturais! Os sintéticos são mais uniformes e as cerdas são mais durinhas, enquanto os naturais tem cerdas mais  “crespas” e são mais “fofos”. 
Como escolher entre natural e sintético?

Cerdas naturais embaixo (M.A.C) e sintéticas no pincel de cima (O Boticário). Esses são pincéis de blush.

Seguinte… O natural realiza uma aplicação mais esfumada, mais leve, consequentemente, mais natural mesmo! O sintético tem uma aplicação mais “dura”, consequentemente, mais precisa. Fazer a linha do delineador fica mais fácil com o mais durinho sintético, já aplicar o blush pode ser uma tarefa mais fácil para o natural. Nada impede que você consiga bons resultados independente do tipo, eles só vão facilitar em certas situações.

Outra diferença entre as cerdas é a absorção do produto. O sintético não absorve  produtos líquidos e cremosos, sendo então bem indicados para aplicá-los. Já as cerdas naturais são ideais para aplicar produtos em pó que precisam ser esfumados, ter uma aplicação mais natural, como um “degradê”.

Com essas informações na mão, podemos passar para o segundo ponto! Aeeeeeeee…

1.2 – Primer e hidratante

Vocês não leram errado! 😉 Quando o primer é mais líquido ou quando quero aplicar um hidratante mais “molinho”, eu uso um pincel de fibra mista, o conhecido como duo fiber. Ele mistura fibras sintéticas, que não absorvem o produto; e naturais, que fazem uma distribuição suave pelo rosto. Se o produto for mais grossinho, aplico com os dedos em movimentos suaves e leves batidinhas. Os dedos ajudam a ativação do produto e a absorção pela pele. Ponto pros dedinhos!

O tal “duo fiber”. Excelente para produtos líquidos e cremosos! Ele vai aparecer outras vezes e em outros posts! 😉 O de baixo é M.A.C e o de cima é Klass Vough.

1.3 – Base

Quando comecei o post, fiquei em dúvida se mostrava como eu uso ou como indicam. Resolvi mostrar o que eu uso  e explicar o porquê de “desvirtuar” certos usos.
Começando pela base: eu uso os dedos quando quero uma cobertura mais pesada, ou seja, quase nunca e só com uma base mais líquida e transparente para não ficar com cara de reboco. Nos outros casos (na maioria), uso pincéis redondos na base e retos no corte:

Pincéis para base: natural embaixo (Klass Vough) e sintético em cima (Prada).

O acabamento não fica marcado e eles dão um efeito de “polimento” na pele, distribuindo bem o produto e deixando o aspecto bem natural mesmo quando a base é mate. Uso o sintético para as bases mais líquidas e o natural para as mais cremosas.
O “duo fiber” (a foto já coloquei, né?) também faz bem o papel de pincel para base, basta espalhar bem para as cerdas sintéticas separadinhas não marcarem o rosto com um aspecto de linhas.

Menção honrosa para as enponjinhas! Elas são, na minha opinião, um meio termo entre o pincel e os dedinhos. A cobertura é bem boa e o acabamento é natural. Uso quando me maquio para ocasiões mais “sérias” como casamentos.

Esponjinhas esquisitas ótimas para base! O bico da esquerda (Belliz) e a parte fina da direita (Sephora) servem para alcançar os cantinhos e são boas pra aplicar corretivo também.

1.4 – Corretivo

Os pincéis indicados para corretivos são bem pequenos e eu fico com receio de ficar muito marcado, portanto, eu uso pincéis chapados indicados para base! “Começou a confusão, né Mel?” Desculpa, galera… Tô tentando ajudar! Mas é isso, prefiro esse tipo até mesmo porque a aplicação fica mais rápida, simples e natural. Ainda assim, não dispenso os pequenos, que servem para detalhes, para cobrir espinhas e cantinhos (como o da abinha do nariz). As cerdas desses são sintéticas para não absorverem muito do produto. Mesmo usando pincel, eu dou umas batidinhas com os dedos depois para o produto “assentar” melhor na pele.

O tradicional pequenininho (Elf) embaixo (que tá velho e descabelado!) e o de base (Marco Boni) que eu uso para corretivo <3.

1.5 – Pó

Vocês já sabem que eu não sou muito chegada a pó, né? A maior culpa da cara de reboco das meninas que vejo por aí é causada pela mão pesada no pó e pelo uso da enponjinha do estojo! Eu NUNCA uso a esponja! Nossa… Mas não é que eu não use pó, eu só tenho medo! Muito medo! 😉
O que pode ser feito para enfrentar esse medo? Usar um pincel adequado e passar onde é necessário! Tcham!
Para aplicar o pó, o melhor é escolher um pincel bem fofo que não vá depositar muito produto e vá  espalhar bem o pó e não PESARRRRRRR!!!!!!!! Os meus tão aí embaixo. Mesmo o sintético é bem fofinho e eu os uso para passar pó bem levinho com um brilho discreto como o Meteorites.

O sintético (O Boticário) tá embaixo e o de cerdas naturais (Belliz) é o de cima. Bem grandes e fofos. Sempre com pouco produto. É melhor reaplicar do que ter de tirar, porque pra tirar, só lavando o rosto e começando de novo, né?

Outro pincel que eu uso para pó é um pincel achatadinho para base de cerdas sintéticas. “É o que, Mel? De novo com esse pincel?” É menina… Ele é ótimo pra aplicar pó na olheira pra dar o acabamento no corretivo quando esse é cremoso e para passar pó na testa, no queixo e nos cantinhos do nariz (lugares que ficam oleosos mais facilmente). Por ser sintético, ele não acumula muito produto e ajuda a não dar aquela pesada de que eu fujo!

Pincel sintético para base que uso com pó (Contém 1g)! Pouco produto, lembram?

Agora, que já fizemos a pele, podemos relaxar um pouco! Tratem de descansar a caixola porque vai rolar muita pauleira na continuação do assunto! Ainda temos pincéis para olhos, acabamentos (blushes e iluminadores) e para boca! Estão preparadas? 😉

Beijos e boas pinceladas! 😉

Ps.: os lugares que compro pincéis: loja Audrey na Liberdade em São Paulo, Contém 1g, O Boticário, M.A.C (só quando viajo), farmácias em geral e nos seguintes sites:

Sigma
Coastal Scents
Cherry Culture